Hugo certo dia foi convidado a participar de um reality show. O programa consistia em: colocar uma determinada quantidade de pessoas em um ambiente dividido ao meio e atazanar-lhes os nervos de todas as formas possíveis só pra ver o que acontecia.

De vez em quando, o apresentador do reality aparecia, só sua cabeça, num enquadramento um tanto quanto hostil e ao mesmo tempo superficial, e obrigava os participantes a apontarem o dedo na cara de uma pessoa e dizer por qual motivo toda a audiência devia destestá-lo.

Após a saraivada de pedras, o pobre acusado é chamado pelo apresentador a se defender em um discurso de 30 segundos. Hugo, certa vez, foi este acusado.

– Acho meio infundado eu ter que defender a mim mesmo – disse – pois tudo o que eu fiz, eu fiz pensando estar certo, e por mais que eu tenha errado, a minha intenção era estar fazendo a coisa certa, e eu não sei quanto a vocês, mas em um ambiente em que todo mundo só quer parecer certo, acho quer querer fazer o certo ainda é a melhor atitude.

Hugo foi eliminado do programa. Não nessa semana. O discurso comoveu toda a audiência. Mas na semana seguinte Hugo disputou a permanência no reality com um cara muito mais bonito que ele e a audiência já tinha esquecido do discurso.

Monólogos #001

“vou buscar comida, disserte”, ela disse no facebook.

hoje o universo conversou comigo.

tem mts dias que eu to fritando nessa história de opostos

ja devo ter dito alguma vez pra vc

que é bom ficar triste pq ai a gente valoriza a felicidade, né

pq a felicidade só existe pq existe a tristeza

se nao existisse tristeza, felicidade seria o normal

e então nao seria feliz, seria normal

essa lógica decorre pra todos os outros pontos da vida

outro dia me perguntaram qual seria o mundo ideal

dai um amg ja veio AH SERIA UM MUNDO SEM DESIGUALDADE SOCIAL

mas ai eu disse “amg se nao existisse desigualdade social, inventaríamos outro problema. Se nao existisse desigualdade econômica, existiria desigualdade, sei la, de quem tem o cabelo mais bonito”

a questão é:::: o mundo em que vivemos é o ideal

pq o mundo é o eterno embate dos opostos

(é o papo do yin e yang)

dai hoje o universo conversou comigo pq na ultima página do Conde de Monte Cristo

o conde diz “não há felicidade nem desgraça nesse mundo, há comparação de um com outro estado; e nisto se resume tudo.”

e eu tenho fritado MUITO com isso, sério mesmo, até minhas ideias de Deus agora se relacionam com isso

Eis que, nesse instante, a moça volta com sua comidinha e diz: disserte sobre Deus.

ah eu tinha conceitos meio tortuosos sobre deus né

minha crença se resume àquela história que a gente conversou ha mtmtmtmt tempo sobre espírito, alma e corpo

(As religiões orientais são baseadas em alguns alicerces básicos; um deles é de que o ser humano é constituído de corpo, que seria a parte física, espírito, que seria a metafísica, e alma, que seria a força encarregada de unir os outros dois. A crença que eu construí e acreditei por muito tempo é a de que (como prega algumas religiões) estamos na Terra para enriquecer nosso espírito, buscar conhecimento, sabedoria, vivência, e, depois de enriquecido, iremos para outra “dimensão”, a divina, ou seja lá como se chama)

que o espírito ta aqui pra crescer

eu ja kind aceitei o fato de que eu nunca vou entender o que acontece de verdade

mas eu gosto de fritar ao redor disso

pq sempre traz algo bom

nessa história dos orientais

Deus não tem papel né

ai eu comecei a achar

que Deus talvez fosse a força que mantém os opostos em eterno embate

ou melhor

Deus talvez seja a inexistencia de opostos

Deus seja o Uno, sabe

e o conhecimento que nosso espírito tá buscando seria justamente essa compreensão

não que buscar o Uno seja nossa missão: vivemos em um mundo de embate, somos constituídos pelo embate

mas compreendemos esse mundo, e crescemos.