Cheiro

O tempo ta fechado e as pessoas seguem sendo estupidamente estúpidas, e essa estupidez, você sabe, me irrita, sempre me irritou e eu não sou lá de me irritar normalmente, sou bem calmo até, mas me irrita. E por descostume, talvez, não sei, essa irritação me machuca, me dói, e a dor acaba trazendo mais irritação.  Essas são as duas coisas que me irritam, dor e estupidez, também me irrito quando meu time perde, mas é uma irritação diferente, é mais volúvel. Talvez, não sei, vai saber, o que sei eu, além de que nada sei, não é? Mas talvez, veja bem, só talvez, eu esteja é sentindo a tua falta e de todo aquele aconchego que me viciava no teu calor, no teu cheiro, no sentir da tua pele junto à minha. Uma vez teu cheiro ficou impregnado na minha camisa, aquela do cogumelo, sabe? Então, não lavei ela por muito tempo, não usei também pra não gastar muito o cheiro. Correndo o risco de soar idiota – mais do que já estou, veja bem, – eu até a cheirava de vez em quando e lembrava do momento em que aquele cheiro passava pra ela, naquela festa em que nossos lábios selaram um contrato que vínhamos formulando a seis – seis? – seis meses e pouco, acho. Um selo meio xoxo, rápido até, ‘fico sem ar enquanto beijo’ você disse e eu não entendi ‘como assim? Beijo teus lábios, não teu nariz’ ‘não consigo’ tu disse, e achei que era uma desculpa pra não me beijar, mau hálito talvez? ‘beija ela’ disse um menino ‘ela não quer’ conclui, abaixando a cabeça ‘não?’ tu me contestou e ‘não?’ eu te contestei, e daí tu me beijou (rapidamente, pra poder respirar) e passou aquele cheiro pra minha camisa. Mas o cheiro acabou, que nem teu efeito sobre mim, ou, mais provavelmente, meu efeito sobre ti, já que foi tu que disse ‘vamos ser só amigos’ antes de eu responder ‘não dá, eu não consigo’. Tu é uma droga demasiada viciante para um uso ocasional e eu sou sedento por prazeres imediatos já que nunca me dei bem com os a longo prazo e, veja só, sem meus prazeres e caprichos acabo ficando irritado com coisas bobas, que sempre existiram e, apesar de parecerem mais evidentes ultimamente, sempre existirão – como, por exemplo, a estupidez estupidamente estúpida  das pessoas. O que eu preciso é de uma anestesia geral que me desligue do mundo e, quem sabe assim, talvez, me desligue de você. Por que teu cheiro, ah, esse teu bendito cheiro não sai da minha cabeça, mesmo depois de já ter saído da minha camisa há muito tempo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s