Eu não sei explicar nem como funciona, mas acontece que vez ou outra vem a sua imagem, assim, na minha cabeça, e eu gosto, sabe, de te ter em mente o tempo todo, já nem sei mais há quanto tempo.

E nem sei se você é lá isso tudo que eu construí na minha mente, por que eu costumo fazer isso, sabe, criar um personagem na minha cabeça e anexá-lo a desconhecidos, no caso, tu, que tão linda assim se fez presente em minha mente tempo demais pra não ter uma história própria.

O problema é que ainda não aprendi a criar barreiras que me impeçam de me magoar quando descubro que a realidade em nada se assemelhava com minha criação, descubro que a pessoa, no caso, tu, não passava de um filme mudo ao qual adicionei meu próprio roteiro, e esses sucessivos embates com a realidade me destroem, me corroem e desiludem. É como um veneno que discretamente me arrebata e finaliza, uma pequena rachadura que, de tanto ser pressionada, torna-se uma enorme cratera.

A única conclusão que chego pensando nessas coisas é que, vê se tu me entende, saudáveis e felizes são os loucos, que nunca percebem que a realidade não é igual aos seus devaneios de insanidade.

Vivo no limiar da sanidade com a loucura, da dor com a pura serotonina. E não cabe mais nenhuma decepção no meu copo. Não transborda, por favor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s